Share on FacebookShare on LinkedIn

Uma leitora do Dinheiro pra Viver perguntou:

“Sou professora de inglês e não sou registrada na escola em que dou aulas, mas estou preocupada com a aposentadoria.

A dúvida está entre contratar um plano de previdência privada para programar uma aposentadoria ou investir em Tesouro Direto uma quantia similar e também diversificar investimentos com o mesmo fim.

A ideia é me aposentar daqui 20 anos. Desejo ter cerca de R$ 7 mil por mês durante a aposentadoria. Tenho 30 anos ainda não comecei a poupar. Estou partindo do zero.”

Veja a resposta do assessor de investimentos Hugo Crespi Jr*:

Prezada professora,  

Como espero que você viva pelo menos até os 100 anos, se você for se aposentar aos 50, terá que acumular, durante 20 anos, o suficiente para bancar seu gasto mensal pelos seguintes 50 anos.

Para isso você terá, além de separar um valor mensalmente, buscar boas aplicações para contar com a ajuda dos juros para a construção da sua aposentadoria…

Não estou me referindo aos juros nominais, como os de 10% ou 15% ao ano de que se ouve falar, mas daquele juro que sobra depois de descontada a inflação, que fará TODA a diferença no resultado final.

A diferença que a taxa de juros reais pode fazer na aposentadoria

Tendo em vista que:

  • boa parte dos fundos oferecidos aos pequenos investidores nos bancos rendem menos que a inflação quando descontado o IR;
  • o juro real médio da caderneta de poupança neste século foi de 1,32% ao ano, sendo que nos últimos 5 anos foi de apenas 0,32% ao ano;
  • atualmente um título do Tesouro de longo prazo atrelado ao IPCA (NTN-B) oferece juro real de cerca de 5% a.a. (+/- 3,5% a.a. após IR);
  • pode-se, ainda hoje, encontrar aplicações com nível de segurança similar ao da caderneta de poupança rendendo até 5% ao ano de juros reais líquidos de IR.

Para se ter ideia do impacto desses números na aposentadoria, o resultado de uma poupança mensal de R$ 2.000,00 durante 20 anos…

  • cujo rendimento apenas atualizasse a inflação, resultaria uma aposentadoria de R$ 800,00 mensais nos 50 anos seguintes;
  • com juros reais de 2% a.a., subiria para pouco mais de R$ 1.500;
  • com juros reais de 5% a.a., a renda mensal na aposentadoria subiria para mais de  R$ 3.600,00.

Tesouro Direto? Previdência? Ou nenhum deles?

Os fundos de previdência do tipo VGBL com tributação regressiva podem ser uma boa alternativa para sua aplicação. Como esse tipo de aplicação não tem “come-cotas” (resgate compulsório de cotas dos fundos de investimento nos meses de maio e novembro para pagamento de Imposto de Renda), após 10 anos, você se beneficiará do efeito cumulativo dos juros compostos e da alíquota de IR de 10%.

Até pouco tempo atrás os fundos de previdência apresentavam rendimento muito baixo, mas nos últimos anos a indústria tornou-se mais competitiva e hoje há fundos de previdência que oferecem bons rendimentos. Mas cuidado na escolha: boa parte desses fundos ainda apresenta juros reais negativos e isso pode destruir sua poupança.

O Tesouro direto é uma boa aplicação para longo prazo: a aplicação é relativamente simples e entrega juros justos. Pode ser uma boa alternativa para a sua necessidade, mas há alternativas seguras com melhor remuneração no mercado financeiro.

Em suma, é muito importante buscar orientação e pesquisar para aplicar bem.

Afinal, quanto você precisa poupar?

Voltando ao seu caso particular, qual seria o valor que você precisaria poupar mensalmente nos próximos 20 anos para garantir a renda pretendida equivalente a R$ 7.000 (de hoje, corrigindo-a pela inflação)?

Veja algumas possibilidades:

  • Considerando uma boa aplicação, com juros reais líquidos de 4% a.a., você precisaria poupar R$ 5.000 corrigidos mensalmente;
  • Alternativamente, se você considerar contribuir até os 60 anos, para então se aposentar com a mesma renda, sua poupança mensal precisaria ser cerca de R$ 2.500,00.

Mas lembre-se: a taxa de juros fará toda a diferença!

Hugo Crespi Junior, assessor de investimentos* Hugo Crespi Junior é sócio sênior na Acqua Agente Autônomo de Investimentos e sócio da Script Consultoria Empresarial. Tem graduação em engenharia na Escola Politécnica da USP e mestrado em Controladoria Empresarial na Universidade Presbiteriana Mackenzie. [Ver LinkedIn]

 

Alguma dúvida?

Esta foi a resposta do Hugo Crespi Junior. Se você tem alguma dúvida sobre este tema específico ou qualquer assunto relacionado a investimentos, mande sua pergunta por este formulário (clique).

Se você é um especialista em investimentos e gostaria de complementar esta resposta, ou se quiser ser um parceiro e responder perguntas de outros leitores, seja um parceiro do Dinheiro pra Viver. Entre em contato pelo e-mail: silvio.crespo@dinheiropraviver.com.br.

Fique por dentro

Para receber atualizações deste blog, preencha seu e-mail no campo abaixo.

Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.

2 Replies to “Quanto juntar para ter uma renda de R$ 7 mil mensais?

Comments are closed.