Share on FacebookShare on LinkedIn

Um leitor do blog Dinheiro pra Viver perguntou:

“Em novembro de 2015 eu estava com uma grana parada na conta e a gerente indicou fazer o plano VGBL, de previdência privada. Nem pesquisei e aceitei. Aos poucos fui aumentando a cota e está me rendendo mais ou menos por mês uns R$ 1.500 (não contando os descontos de IR).

O objetivo no momento não é nada específico. Apenas para não deixar a grana parada. Não tenho prazo para resgatar no momento. Indicaria tirar essa grana e partir para outro esquema?”

Veja a resposta do assessor de investimentos Gustavo Corradi*:

Para o caso que você apresentou, existem muitas outras opções de investimentos que são mais recomendáveis, como títulos públicos (Tesouro Direto), títulos privados (como CDB, LCI e LCA). Além disso, dependendo do seu perfil de risco pode ser recomendável investir parte do seu dinheiro em fundos multimercado ou de ações.

Veja o que aconteceu com algumas opções de investimento nos últimos 12 meses:

  • Título público Tesouro Selic (LFT 2019): alta de 21,6%
  • Tesouro IPCA (NTN-B Principal 2019): alta de 13,9%
  • Ibovespa: alta de 29,5%

Enquanto isso, o fundo no qual você aplica teve uma rentabilidade acumulada de 12,8% no último ano.

Mas antes de tirar o dinheiro desse fundo, é preciso ter em mente que você terá que pagar Imposto de Renda. Se este for um investimento com tributação regressiva, a alíquota para resgatar agora será de 35%. A cada dois anos essa alíquota cai cinco pontos percentuais, até chegar a 10% após dez anos.

Por conta disso, se você acredita que não vai precisar do dinheiro tão cedo, vale mais a pena esperar até a alíquota do IR cair.

Uma possibilidade é, em vez de fazer novos aportes no fundo, criar uma carteira com ativos que rendem mais e que, após dois anos, possam ser resgatados com um IR de apenas 15% sobre o rendimento.

Para que essa carteira ajude você a atingir os seus objetivos financeiros, é preciso que ela respeite o seu perfil de risco.

Gustavo Corradi Matos, assessor de investimentos, BankRio* Gustavo Corradi Matos é assessor de investimentos, sócio da BankRio, escritório de investimento filiado à XP Investimento. Ele é economista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (ver LinkedIn).

 

Alguma dúvida?

Esta foi a resposta do Gustavo Corradi. Se você tem alguma dúvida sobre este tema específico ou qualquer assunto relacionado a investimentos, mande sua pergunta por este formulário (clique).

Se você é um especialista em investimentos e gostaria de complementar esta resposta, ou se quiser ser um parceiro e responder perguntas de outros leitores, seja um parceiro do Dinheiro pra Viver. Entre em contato pelo e-mail: silvio.crespo@dinheiropraviver.com.br.

Fique por dentro

Para receber atualizações deste blog, preencha seu e-mail no campo abaixo.

Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.