Share on FacebookShare on LinkedIn

 

Indo direto ao ponto: quem investe dinheiro todo mês, pensando em se aposentar daqui a 30 anos, pode deixar de acumular centenas de milhares de reais ao longo desse tempo, se não escolher as aplicações adequadas.

Mais precisamente, se você investir R$ 500 por mês durante 30 anos em uma aplicação ruim de renda fixa, pode acumular R$ 600 mil ao final do período.

Já se escolher investimentos adequados e também seguros, pode juntar R$ 800 mil a mais, superando R$ 1,4 milhão no total.

E olha que aqui estamos falando somente de renda fixa, ou seja, investimentos seguros e com grau de previsibilidade bastante alto se comparados com ações.

Importante: os números que apresento neste artigo (e em tudo o que publico) são extremamente realistas. Se você já viu promessas de investir muito menos e ganhar muito mais, me avise! Terei prazer em explicar onde está o truque.

O maior erro ao investir para aposentadoria

Talvez você já tenha ouvido pessoas citando vários tipos de erros como sendo os maiores que alguém pode cometer quando investe para a aposentadoria.

Tem gente que diz que o grande erro das pessoas é não manter a disciplina de investir um pouco por mês.

Outros falam que o maior erro é não dar o primeiro passo, ou seja, apenas procrastinar e não começar nunca a investir direito.

Embora tudo isso faça sentido, eu nunca vi um erro que possa causar tanta dor e frustração quanto este que eu vou explicar agora.

Porque se você não teve disciplina nem para começar a investir, pelo menos alguma coisa você fez com o seu dinheiro. Usou de alguma forma, nem que seja em besteiras, mas usou.

Se não conseguiu manter disciplina, também. Você parou de investir e passou a usar do dinheiro de outra forma.

Agora, eu fico imaginando o que pode ser pior do que aplicar o dinheiro todo mês, religiosamente, e após 10, 20 ou 30 anos perceber que as reservas que acumulou não vão possibilitar nem um terço da retirada mensal que você esperava.

Por isso, o maior erro de todos, a meu ver, é não conseguir escolher as aplicações que aumentariam as chances de você ter a aposentadoria desejada, no prazo previsto.

Aliás, essa ideia de não começar nunca a investir, ou não manter a disciplina de aportes mensais, certamente está ligada à dificuldade de montar uma boa carteira de investimentos.

Existem hoje mais de 15 mil produtos financeiros no mercado brasileiro, segundo a empresa de investimentos Magnetis. Diante disso, é normal que as pessoas paralisem e nem comecem a investir.

Ou então, como ocorre bastante, elas começam da forma como podem, com base nas recomendações do banco ou da corretora. Mas com o tempo vão ficando frustradas com a baixa rentabilidade e param de fazer aportes.


Quanto se perde ao investir mal

Vou dar aqui um exemplo com dados reais. Veja como ficou a rentabilidade acumulada desses investimentos de renda fixa nos últimos 10 anos (jan/2007 a dez/2016).

Tipo de aplicaçãoRent. acumulada (descontado o IR)
Poupança101%
Fundo de previdência147%
Tesouro Selic (antiga LFT)158%
CDB a 118% do CDI206%

Nos últimos 10 anos, a poupança acumulou um rendimento de 101%.

O Tesouro Selic, título mais conservador do Tesouro Direto, rendeu 158%. Repito: este é o título mais conservador (menos arriscado) do Tesouro Direto. Tão seguro quanto a poupança. E rendeu tudo isso a mais.

Já um CDB (um título privado, ou seja, não faz parte do Tesouro Direto) com taxa de 118% do CDI teve um rendimento líquido de 206%!

Todos os cálculos já descontam o Imposto de Renda.

Agora vamos falar um pouco sobre fundos de previdência privada. O que escolhi para esta tabela é um dos mais rentáveis fundos de previdência de um dos maiores bancos do país. Ele exige um aporte inicial de R$ 200 mil.

Mesmo assim, veja que ele teve um rendimento líquido abaixo do Tesouro Selic, um título conservador, extremamente seguro e que exige uma aplicação inicial de menos de R$ 100. (Não é menos de cem mil. É menos de cem reais, mesmo.)

Vale dizer que os números desta tabela são todos reais, não são estimativas, com exceção do dado sobre a previdência privada.

E por que usei uma estimativa para a previdência? Simplesmente porque os bancos só divulgam por padrão o histórico de rentabilidade dos últimos três anos.

Quanto é isso em dinheiro?

Agora vamos ver o que essas diferentes rentabilidades significam em dinheiro.

Quem aplicou R$ 500 por mês na poupança nos últimos 10 anos, hoje está com R$ 86.604, conforme a tabela abaixo.

Tipo de aplicaçãoValor acumulado após 10 anos de aportes mensais de R$ 500
PoupançaR$ 86.604
Fundo de previdênciaR$ 96.468
Tesouro SelicR$ 99.610
CDB a 118% do CDIR$ 109.897

Já quem colocou a mesma quantia no Tesouro Selic agora está com quase R$ 100 mil, já descontado o Imposto de Renda. E quem aplicou em um CDB a 118% do CDI hoje tem cerca de R$ 110 mil.

Se o mesmo cenário dos últimos 10 anos se repetisse por mais 20 anos, quem aplica R$ 500 por mês na poupança teria um total de R$ 611 mil ao longo de 30 anos, enquanto quem investe em um CDB de 118% do CDI estaria com quase R$ 1,5 milhão. Uma diferença de mais de R$ 800 mil (tabela abaixo).

Tipo de aplicaçãoValor acumulado após 10 anos de aportes mensais de R$ 500
PoupançaR$ 611.544
Fundo de previdênciaR$ 923.839
Tesouro SelicR$ 1.019.149
CDB a 118% do CDIR$ 1.471.399

O outro grande erro

Bom, o título deste artigo é “Os 2 maiores erros de quem planeja aposentadoria por conta própria”.

O primeiro erro é este que falei: escolher mal os investimentos.

O outro erro, igualmente importante, mas bem menos comentado, é ignorar a inflação.

Se você está investindo R$ 500 por mês no Tesouro Direto, é possível que daqui a 30 anos você esteja com cerca de R$ 1 milhão.

Talvez pareça muito porque, hoje, com R$ 1 milhão aplicado em Tesouro Selic, você consegue um rendimento líquido em torno de R$ 90 mil por ano. Isso dá cerca de R$ 7.500 por mês, sem descontar a inflação.

Mas, na prática, o que R$ 7.500 vão significar daqui a 30 anos? O que você vai poder comprar com esse dinheiro?

Nos próximos artigos vou responder essas perguntas e explicar como se planeja a aposentadoria de forma realista, se precavendo da inflação e de mudanças no cenário político-econômico.

Também nas próximas semanas, divulgarei na imprensa um estudo inédito sobre aposentadoria.

Já adianto um dos resultados do estudo: aplicando R$ 1.000 por mês na poupança, você precisaria de mais de 50 anos para conseguir uma reserva que permita uma renda mensal equivalente a R$ 5.000.

Eu disse R$ 1.000 de aplicação por mês – e renda mensal de apenas R$ 5.000. Na poupança, seriam necessários mais de 50 anos de aportes.

Esse não é um número animador, mas nesse estudo que vou divulgar em breve eu comparo diferentes investimentos de renda fixa e mostro em quais deles você aumenta as chances de se aposentar muito mais cedo do que isso.

Para receber o estudo gratuitamente por e-mail, bem como os próximos artigos do blog, basta se cadastrar no formulário abaixo.

Por enquanto, o importante é ter ciência dos dois grandes erros que se pode cometer ao planejar a aposentadoria por conta própria:

  • Escolher investimentos errados e deixar de acumular centenas de milhares de reais;
  • Ignorar a inflação e se aposentar com menos da metade da renda mensal prevista.


Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.

2 Replies to “2 erros clássicos de quem planeja aposentadoria por conta própria

  1. Muito boa matéria. Em uma aplicação em CDB com 100% do CDI ou no Tesouro Direto pode-se fazer retiradas mensais? pois pretendo viver com parte da renda já mas também ao mesmo tempo continuar poupando.

    1. Olá, Pedro, obrigado! Pode fazer retirada, sim. No caso do CDB, desde que ele tenha liquidez diária. No caso do Tesouro, você pode vender seus títulos em qualquer dia útil. Porém, se for para viver de retiradas, uma outra possibilidade é comprar Tesouro IPCA+ com juros semestrais. Assim, uma vez por semestre você receberá os juros. Nesse caso, é só comprar os títulos e ficar esperando o dinheiro pingar na sua conta. Abraços

Comments are closed.