Share on FacebookShare on LinkedIn

 

Talvez você já tenha feito algumas simulações por aí para saber quanto dinheiro é preciso aplicar por mês para um dia se aposentar.

O que eu vou explicar agora talvez não seja muito animador comparado com o que você pode ter visto por aí.

Mas é o seguinte: se você aplicar todo mês R$ 1.000 por mês, e quiser se aposentar com uma renda equivalente a R$ 5.000, provavelmente terá que poupar esse dinheiro por mais de 50 anos.

Você já deve ter visto inúmeras simulações na internet mostrando que, se você investir um pouco por mês, no longo prazo vai acumular milhões. Que basta você ter disciplina.

É uma pena, mas isso não é verdade. Você não só precisa ter disciplina, como precisa saber escolher as aplicações que interessam a você. 

Se você aplicar R$ 1.000 por mês na poupança, e se a poupança continuar se comportando como se comportou nos últimos 10 anos (rendimento médio de 0,59% ao mês), após 30 anos você terá acumulado aproximadamente uma reserva de R$ 1,2 milhão.

Porém, o que vai ser R$ 1,2 milhão daqui a 30 anos? Nos últimos dez anos, a inflação acumulada pelo IGP-M foi de 90,15%. Isso em apenas 10 anos. Imagina nos próximos 30.

Na ponta do lápis, se a inflação continuar no mesmo ritmo dos últimos 10 anos, o R$ 1,2 milhão que você vai acumular na prática vai ser o equivalente a R$ 394 mil, a preços de hoje.

Ou seja, aplicando na poupança provavelmente você não vai se aposentar nunca.

Esses dados talvez não sejam muito animadores, mas no estudo “Quando vou me aposentar?” eu comparo diferentes investimentos de renda fixa e mostro em quais deles você aumenta as chances de se aposentar muito mais cedo do que isso.

O estudo fica à disposição para download gratuito até 31/10/2017.

Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.