Share on FacebookShare on LinkedIn

 

Em junho publiquei um artigo informando que os fundos DI já estavam ficando tão ruins quanto a poupança.

Agora, com a decisão do Banco Central de reduzir a Selic (taxa básica de juros) em 1 ponto percentual em julho, os fundos DI começam a perder para a poupança, para quem vai investir R$ 2.000 ou menos nos próximos 12 meses.

Esta foi a informação que achei mais interessante na nova edição do Ranking Renda Fixa Macro, elaborado pelo economista Pedro Raffy Vartanian, em parceria com o blog Dinheiro pra Viver e com o jornal O Estado de S. Paulo.

Eu disse “interessante” porque, há anos, a poupança vinha sendo o pior investimento, comparado com outros de risco semelhante.

No entanto, para quem sabe como funciona o mercado de aplicações financeiras, essa informação faz pouca diferença. É mera curiosidade.

Porque quem conhece o mercado não aplica nem na poupança nem em fundos DI, a não ser uma parte muito pequena do patrimônio. Veja o gráfico abaixo.

Projeção da rentabilidade dos investimentos de baixo risco

Minha análise sobre o assunto foi publicada no portal do Estadão. Mas aqui no blog quero abordar o caso de uma forma mais pessoal.

Hoje, a única vantagem que vejo em fundos DI é poder resgatar o dinheiro imediatamente, mesmo fora do horário comercial, o que não é possível em aplicações mais rentáveis, como o Tesouro Direto ou um CDB.

Mas não pense que no Tesouro você vai demorar muito para receber o dinheiro. São só alguns dias, dependendo da sua corretora. O mesmo ocorre com muitos CDBs.

Então, não vejo sentido em aplicar em fundos DI a não ser aquele dinheiro que você sabe que pode precisar de uma hora para outra.

Por que aplico cada vez menos em fundos DI

Você sabe como funciona um fundo DI ou de renda fixa?

Funciona assim: você dá o seu dinheiro na mão do banco, que por sua vez compra títulos do Tesouro ou títulos privados (como CDB) e cobra uma taxa de administração por isso.

Sendo que você poderia comprar diretamente esses títulos, sem pagar taxa nenhuma.

As taxas de administração é que fazem com que exista uma grande diferença entre a rentabilidade de um fundo de investimento, de um lado, e de um título público (do Tesouro) ou privado, de outro.

O tamanho da diferença você consegue ver na tabela abaixo, extraída do Ranking. Ela mostra qual tende a ser o seu rendimento, em diversas aplicações de baixo risco, caso aplique hoje o valor de R$ 10 mil.

Projeção de rendimento para uma aplicação inicial de R$ 10.000

Tipo de aplicaçãoEm 12 mesesEm 24 meses
PoupançaR$ 590R$ 1.183
Fundos DIR$ 583R$ 1.227
Tesouro SelicR$ 650R$ 1.373
CDB (90% do CDI)R$ 601R$ 1.268
CDB (100% do CDI)R$ 668R$ 1.414
CDB (110% do CDI)R$ 735R$ 1.562

Aplicando em um CDB, é possível obter um rendimento superior a R$ 1.500 em dois anos. Já em um fundo DI, o rendimento fica em torno de R$ 1.200.

São cerca de R$ 300 que se podem perder (ou deixar de ganhar) apenas por escolher uma aplicação errada.

Para quem investe R$ 10 mil em dois anos, pode parecer pouco. Mas, primeiro, vale a pena pensar quantas vezes você deixou de comprar um produto por causa de R$ 100, R$ 50 ou mesmo R$ 20.


Ora, se a gente deixa de ir a um restaurante para economizar algumas dezenas de reais, por que nós costumamos desprezar os ganhos de uma boa aplicação de renda fixa?

É por isso que eu costumo buscar as melhores aplicações.

Vamos ver o que ocorre quando a gente investe mal, frequentemente e a longo prazo.

Se o cenário projetado no estudo se prolongasse não por dois anos, mas por 10, o que aconteceria com o seu dinheiro? A tabela abaixo responde.

Projeção de reserva acumulada após aplicações de R$ 500 por mês

Tipo de aplicaçãoReserva acumulada após 10 anos
PoupançaR$ 80.202
Fundos DIR$ 79.007
Tesouro SelicR$ 83.674
CDB (90% do CDI)R$ 81.615
CDB (100% do CDI)R$ 84.491
CDB (110% do CDI)R$ 87.474

A tabela mostra que, se você fizer uma aplicação de R$ 500 todo mês em um fundo DI, após dez anos você acumularia cerca de R$ 79 mil. Já se investir em um CDB com 110% do CDI, você acumularia perto de R$ 87 mil.

São R$ 8.000 a mais, sem precisar fazer nada. Apenas por ter escolhido o investimento corretamente.

Na verdade, esses valores, em termos absolutos, são uma estimativa. Mas o que vale aqui é o aspecto comparativo. A diferença que faz você aplicar diretamente em um título, em vez de dar seu dinheiro para o banco comprar os títulos por você.

Se fosse muito difícil escolher esses títulos, até que faria sentido as pessoas deixarem de lado esse tipo de oportunidade.

Porém, fazer essa escolha é algo relativamente simples. 

Em breve, farei um webinar (aula ao vivo online) gratuito, explicando quanto é possível ganhar com investimentos de renda fixa. Explicarei os títulos públicos e privados e darei dicas de como escolher os papéis e também de como escolher a sua corretora.

Para receber aviso quando abrirem as inscrições, basta preencher o formulário abaixo. Informe os dias e horários da sua preferência e com base nas respostas pretendo escolher o que for melhor para a maioria.


Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.

One Reply to “Fundos DI começam a perder para poupança; veja ranking”

Comments are closed.