Share on FacebookShare on LinkedIn

Ser investidor e devedor ao mesmo tempo é um excelente negócio – para os bancos.

É assim que vivem as instituições financeiras: tomam dinheiro emprestado, pagando juros baixos, e emprestam a outros, cobrando juros mais altos.

Para as pessoas físicas, ao contrário, ser devedor e investidor ao mesmo tempo não costuma valer a pena.

Neste artigo vou mostrar quanto você tende a perder caso resolva investir dinheiro mantendo dívidas. E ao final, explicarei quais são as exceções, ou seja, os casos em que vale a pena investir mesmo tendo uma dívida para pagar.

Quanto você ganha quando investe

Veja como se comportaram as aplicações de renda fixa ao longo de 12 meses, de julho de 2016 a junho de 2017.

AplicaçãoRendimento
Poupança7,22%
Tesouro Selic 202112,78%
CDB a 110% do CDI14,24%
Tesouro Prefixado 202321,57%

Olha que essas taxas de rendimento são sem descontar o Imposto de Renda. Se você investiu R$ 10 mil há um ano em Tesouro Prefixado, hoje está com R$ 12.157. Se for resgatar agora, pagará um Imposto de Renda e ficará com R$ 11.780.

Isso porque estamos falando de uma aplicação que teve um rendimento excepcionalmente bom para a renda fixa. Agora vamos falar sobre dívidas.

Quanto você paga quando toma dinheiro emprestado

No mesmo período em que as aplicações de renda fixa tiveram o rendimento mostrado na tabela acima, estas foram as taxas de juros para empréstimos para pessoas físicas:

Tipo de empréstimoTaxa de juros (ao ano)
Financiamento de imóvel15%
Empréstimo consignado (servidores)27,10%
Empréstimo pessoal não consignado134,80%
Cheque especial325,90%
Rotativo regular do cartão de crédito399,80%

Essas são taxas de juros médias praticadas no período de julho de 2016 a junho de 2017.

Repare que a taxa do financiamento de imóvel, que é a menor, ainda supera quase todos os investimentos da tabela anterior. Apenas o Tesouro Prefixado, que foi o título do Tesouro Direto com maior rendimento no período, superou o custo do financiamento da casa própria.

Diante disso, alguém até poderia pensar: “Então se eu tenho dinheiro para comprar um imóvel, vale mais a pena deixar esse dinheiro no Tesouro Prefixado e tomar um empréstimo para financiar o imóvel”.

Na verdade, não. Esse rendimento do Tesouro Prefixado foi excepcional. Só ocorreu porque a taxa básica de juros da economia, a Selic, começou a cair a um ritmo muito mais forte que o esperado. Quando isso acontece, investimentos prefixados passam a render mais do que o previsto

Da mesma maneira, no entanto, quando a taxa Selic sobe mais que o previsto, os investimentos prefixados despencam. Lembra do título do Tesouro que rendeu mais de 60% em um ano e depois ficou negativo?

O rendimento de uma aplicação prefixada pode subir muito, como pode ficar negativo. Já os juros que você paga ao seu banco certamente não vão ficar negativos.

Resumindo, existem boas aplicações financeiras por aí, mas será muito difícil você conseguir que elas paguem juros superiores ao que você pagaria a uma instituição financeira.

Quando vale a pena investir o dinheiro mesmo tendo dívidas

Se a gente considerasse apenas quanto dinheiro se vai ganhar ou perder, não valeria a pena investir qualquer quantia se você ainda tiver uma dívida.

No entanto, na vida prática não é assim. Primeiro porque é sempre bom ter uma reserva de emergência.

Se você usar todo o seu dinheiro para quitar suas dívidas, mas zerar a sua conta bancária, como vai fazer no caso de uma emergência? Será que vai conseguir contrair um empréstimo rapidamente, pela mesma taxa de juros das suas dívidas antigas?

Então, vale a pena manter investimentos em aplicações de liquidez diária, para o caso de precisar de dinheiro inesperadamente.

Em segundo lugar, manter investimentos pode ser útil não só para emergências, mas para objetivos de médio prazo.

Vamos supor que ainda faltem quatro anos para você terminar de pagar o seu imóvel. Não é por isso que você vai viver a pão e água durante todo esse período. Vai depender do que é prioridade para você.

Às vezes, você pode preferir investir o dinheiro para viajar com a sua família, em vez de quitar parte das dívidas. Afinal, se for esperar zerar todas as dívidas, pode ser que seus filhos já não estejam mais na idade de querer viajar com você. E aí?

Por isso a decisão de investir o dinheiro ou quitar uma dívida é muito pessoal. O importante é ter consciência de que, do ponto de vista estritamente financeiro, manter-se como devedor e investidor ao mesmo tempo é algo muito lucrativo para os bancos, mas raramente vale a pena para pessoas físicas.

Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.