Share on FacebookShare on LinkedIn

[Acompanhe meu conteúdo também no no YouTube]

O site do Tesouro Direto tem um simulador que mostra estimativas de quanto os títulos públicos vão render nos próximos anos.

A ferramenta é bastante útil, mas precisa ser usada com cuidado.

Da forma como ela vem configurada, a tendência é que os usuários tenham acesso a dados distorcidos e consequentemente tomem decisões erradas de investimento. No fim das contas, isso significa perder dinheiro ou deixar de ganhar.

O funcionamento do simulador é simples. Você escolhe um dos títulos do Tesouro e informa quanto está pensando em investir por mês. Em seguida, a ferramenta mostra um gráfico com a estimativa de quanto dinheiro você terá no futuro, como na imagem abaixo.

Comparação entre Tesouro Direto e CDB

O gráfico acima é de uma simulação de um investimento de R$ 50 mil no título Tesouro Prefixado 2023 (antiga LTN), comparado com um CDB.

O resultado apresentado é o de que, investindo R$ 50 mil hoje nesse título do Tesouro, você terá R$ 81.107 na data do vencimento (janeiro de 2023). Já se você investir a mesma quantia em um CDB, terá apenas R$ 68.035 na mesma data, segundo a ferramenta.

Ok, e qual é o problema desses números? É o que veremos no item “Erro número 1”.

Erro número 1

O erro número 1 é o fato de o simulador considerar que um CDB tem um rendimento baixo demais, e não é bem assim.

No exemplo do gráfico acima, a ferramenta considerou um CDB que rende somente 82% do CDI (saiba o que significa render “X% do CDI”). Só que, na prática, existe muito CDB que rende bem mais do que isso.

Para esse mesmo valor investido (R$ 50 mil) e o mesmo prazo (cinco anos), é possível encontrar CDBs que rendem acima de 115% do CDI nos bancos NBC, BMG, Fibra e Máxima, entre outros. E para isso não é preciso ter conta nesses bancos. Basta ter conta em uma corretora, como a XP, a Rico, a Órama, a Easynvest e várias outras.

Outro problema é que o simulador compara coisas que não são muito comparáveis. Neste nosso exemplo, ele está comparando um título prefixado (o Tesouro Prefixado 2023) com um título pós-fixado (o CDB a 82% do CDI).

Na verdade, o correto é só comparar pré com pré, ou pós com pós.

Então vamos comparar corretamente?

Hoje, o título Tesouro Prefixado 2023, usado no nosso exemplo, está com uma taxa de rendimento de 9,94% ao ano. Já no mercado você encontra CDB prefixado dos bancos Fibra, BMG e Sofisa com taxa acima de 10% ao ano.

Por isso, ao usar o simulador, eu olho apenas para os dados relacionados ao próprio Tesouro Direto. As outras aplicações que eles colocam ali para comparar eu ignoro totalmente.

Se você reparar, o simulador do Tesouro Direto vem configurado de modo que a rentabilidade do Tesouro é sempre maior do que a dos outros investimentos. Engraçado, né?

Erro número 2

O segundo erro que se pode cometer ao usar o simulador do Tesouro Direto é que ele mostra a evolução da rentabilidade como se ela fosse uma curva sempre ascendente. No gráfico abaixo, por exemplo, o simulador apresenta a expectativa de rentabilidade do título Tesouro IPCA+ 2035 (antiga NTN-B Principal).

Rentabilidade do Tesouro IPCA+ 2035 (simulação)

Só que, na prática, o preço desse título está sempre oscilando no mercado. Uma pessoa que não sabe disso corre o risco de olhar esse gráfico e achar que, se investir nesse papel hoje, necessariamente vai ter mais dinheiro daqui a um ano. Quando na verdade pode ser que ela venha a ter menos dinheiro.

Este mesmo título, o Tesouro IPCA+ 2035, chegou a cair 33% em 2013, conforme a tabela abaixo. Depois, em 2016, o mesmo papel subiu 48%. Ou seja, a evolução desse título (assim como de outros oito títulos do Tesouro) não é sempre ascendente e bonitinha, como o gráfico do simulador pode levar a crer.

Rentabilidade dos títulos do Tesouro Direto em 2013

E em relação a este problema do simulador, que chamei de “erro número 2”, o que eu faço? Eu olho a curva por curiosidade, mas só levo a sério a projeção de ganho na data de vencimento. Porque tudo o que acontece entre agora e o vencimento é muito imprevisível. Pode-se ter tanto uma rentabilidade muito mais alta do que o esperado como muito mais baixa.

Espero que este artigo tenha ajudado. Se fiou com dúvidas, deixe aqui nos comentários.

Para receber mais conteúdos como este, inscreva-se também meu canal no Youtube. E participe dos meus dois grupos no Facebook: o Blog Dinheiro pra Viver e o Planejando a aposentadoria!

Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *