Share on FacebookShare on LinkedIn

Por Sílvio Crespo

Amigos, segue mais uma atualização da Cripto20, a carteira com 20 criptomoedas que eu criei no último dia do ano passado.

Para quem caiu de para-quedas, uma breve explicação. No dia 31/12/2017 eu iniciei o seguinte experimento: investi R$ 10 mil em 20 criptomoedas diferentes, incluindo o bitcoin. Em cada uma, coloquei R$ 500.

No momento em que escrevo este artigo, no dia 14 de fevereiro de 2018, o bitcoin acumula uma queda de 33,51% em 2018. No mesmo período, a carteira com 20 criptomoedas que eu montei acumula baixa de 20,93%.

Em outras palavras, se eu fosse vender agora toda a carteira, ficaria com R$ 7.907. Já se eu tivesse aplicado os R$ 10 mil somente em bitcoin, eu resgataria hoje R$ 6.649, conforme mostra o gráfico abaixo.

Variação do Bitcoin e das criptomedas em 2018

Esse experimento tem basicamente dois objetivos:

Primeiro: aumentar a relação risco-retorno

O primeiro objetivo é diluir o risco que eu teria se aplicasse apenas em uma ou duas criptomoedas. Acredito que no futuro as moedas não estatais tendem a ganhar mais e mais espaço, pois elas facilitam as transações internacionais. Hoje, as moedas não estatais são as criptomoedas.

Porém, não dá para saber quais delas vão vingar. Não  dá nem para ter certeza se o bitcoin vai reinar para sempre.

Por isso a ideia de investir em 20 delas. Assim, aumento as chances de comprar uma moeda que pode vir a ter um grande valor no futuro. Ao mesmo tempo, por separar o dinheiro em 20 criptomoedas, eu diluo o risco, já que algumas delas provavelmente tendem a ir para o buraco.

Nesse aspecto, o resultado tem sido dentro do esperado. Se eu tivesse investido os R$ 10 mil somente em bitcoins, teria tido uma desvalorização maior. A diversificação, nesse caso, reduziu minhas perdas. Vale dizer, no entanto, que nada garante que essa tendência continuará. É possível, sim, que a minha carteira passe a ter uma queda mais acentuada que a do bitcoin.

Segundo: encontrar lacunas no mercado buscar soluções

Esse aspecto tem sido muito mais interessante do que eu imaginava.

A primeira coisa que eu fiz antes de montar a carteira foi procurar um passo a passo mostrando, do início ao fim, como comprar, vender e guardar criptomoedas, no Brasil. Achei que fosse encontrar várias opções, mas não encontrei nenhuma.

Tive que aprender por conta própria,  e, quando terminei o procedimento, criei O Guia Prático das Criptomoedas, uma série de vídeos na qual eu mostro como fiz para comprar, guardar e vender criptomoedas com segurança.

Hoje, estou diante de um novo desafio: acompanhar os resultados de forma prática. Como não existe uma wallet (carteira de criptomoedas) que seja compatível com todas as moedas que comprei, gerenciar a carteira acaba não sendo uma tarefa muito fácil.

Não existe nada pronto nessa área. Existem várias tentativas, mas ainda não achei nenhuma que satisfizesse minha necessidade. Por enquanto, tenho registrado em tabelas do Google Planilhas. Mas tenho testado algumas formas que existem no mercado e também tenho procurado desenvolver minha própria solução.

Conforme eu encontre soluções para esse problema, vou compartilhando por aqui.

Enquanto isso, fique com a tabela atualizada da Cripto20, abaixo:

Variação da carteira Cripto20 em 2018

Período: 31/12/2017 a 14/02/2018
MoedaValor em 14/02/2018Variação acumulada em 2018
BitcoinR$ 332-33,51%
RippleR$ 268-46,31%
EthereumR$ 60420,83%
Bitcoin CashR$ 266-46,83%
CardanoR$ 256-48,84%
LitecoinR$ 459-8,19%
IotaR$ 273-45,36%
NEMR$ 276-44,88%
DashR$ 323-35,34%
StellarR$ 66733,45%
MoneroR$ 402-19,56%
EOSR$ 61322,55%
NEOR$ 76452,71%
QtumR$ 296-40,71%
Bitcoin GoldR$ 263-47,42%
VergeR$ 142-71,61%
Ethereum ClasssicR$ 64228,33%
Nano (antiga Raiblocks)R$ 256-48,85%
DecredR$ 420-15,97%
DogecoinR$ 384-23,11%

Share on FacebookShare on LinkedIn

Sílvio Crespo

Jornalista econômico e educador financeiro. Foi editor-assistente de Economia do portal do Estadão. Ganhou duas vezes o prêmio de melhor blog do jornal O Estado de S. Paulo e uma vez o prêmio Case New Holland de Jornalismo, pelo blog Achados Econômicos, do UOL.

5 Replies to “Bitcoin cai 34% em 2018; principais criptomoedas recuam 21% no período

  1. Silvio, muito boa sua experiência. Eu fiz a mesma há coisa de dois anos e foi mais ou menos isso.

    Fique tranquilo. 20% é nada nesse universo e semana que vem acaba o fim de ano chinês. Eles devem voltar com toda a força.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *